12 textos e poesias para inspirar seus votos

1. José de Alencar

“Tentei lhe dizer muitas coisas, mas acabei descobrindo que amar é muito mais sentir do que dizer. E milhões de frases bonitas, jamais alcançariam o que eu sinto por você.”

2. Amo como ama o amor (Fernando Pessoa)

Amo como ama o amor.

Não conheço nenhuma outra razão para amar senão amar.

Que queres que te diga, além de que te amo,

se o que quero dizer-te é que te amo?

3. Amar é mudar a alma de casa – Mário Quintana

Amar é mudar a alma de casa,

é ter no outro, nosso pensamento

Amar é ter coração que abrasa,

amar, é ter na vida um acalento.

Amar é ter alegria que extravasa,

amar é sentir-se no firmamento.

“Amar é mudar a alma de casa”,

é ter no outro, nosso pensamento.

Amar, é aquilo que embasa

é ter comprometimento.

Amar é, voar sem asa,

e porque amar é acolhimento,

“amar é mudar a alma de casa”

4. As sem razões do amor – Carlos Drummond de Andrade

Eu te amo porque te amo,

Não precisas ser amante,

e nem sempre sabes sê-lo.

Eu te amo porque te amo.

Amor é estado de graça

e com amor não se paga.

Amor é dado de graça,

é semeado no vento,

na cachoeira, no eclipse.

Amor foge a dicionários

e a regulamentos vários.

Eu te amo porque não amo

bastante ou demais a mim.

Porque amor não se troca,

não se conjuga nem se ama.

Porque amor é amor a nada,

feliz e forte em si mesmo.

Amor é primo da morte,

e da morte vencedor,

por mais que o matem (e matam)

a cada instante de amor.

5. Amar e Ser Amado (Castro Alves)

Amar e ser amado!

Com que anelo

Com quanto ardor este adorado sonho

Acalentei em meu delírio ardente

Por essas doces noites de desvelo!

Ser amado por ti, o teu alento

A bafejar-me a abrasadora frente!

Em teus olhos mirar meu pensamento,

Sentir em mim tu’alma, ter só vida

P’ra tão puro e celeste sentimento

Ver nossas vidas quais dois mansos rios,

Juntos, juntos perderem-se no oceano,

Beijar teus labios em delírio insano

Nossas almas unidas, nosso alento,

Confundido também, amante, amado

Como um anjo feliz… que pensamento!?

6. O Amor (Fernando Pessoa)

O amor, quando se revela,

Não se sabe revelar.

Sabe bem olhar p’ra ela,

Mas não lhe sabe falar.

Quem quer dizer o que sente

Não sabe o que há de dizer.

Fala: parece que mente…

Cala: parece esquecer…

Ah, mas se ela adivinhasse,

Se pudesse ouvir o olhar,

E se um olhar lhe bastasse

P’ra saber que a estão a amar!

Mas quem sente muito, cala;

Quem quer dizer quanto sente

Fica sem alma nem fala,

Fica só, inteiramente!

Mas se isto puder contar-lhe

O que não lhe ouso contar,

Já não terei que falar-lhe

Porque lhe estou a falar…

7. Para viver um grande amor – Carlos Drummond de Andrade

É preciso abrir todas as portas que fecham o coração.

Quebrar barreiras construídas ao longo do tempo,

Por amores do passado que foram em vão

É preciso muita renúncia em ser e mudança no pensar.

É preciso não esquecer que ninguém vem perfeito para nós!

É preciso ver o outro com os olhos da alma e se deixar cativar!

É preciso renunciar ao que não agrada ao seu amor…

Para que se moldem um ao outro como se molda uma escultura,

Aparando as arestas que podem machucar.

É como lapidar um diamante bruto…para fazê-lo brilhar!

E quando decidir que chegou a sua hora de amar,

Lembre-se que é preciso haver identificação de almas!

De gostos, de gestos, de pele…

No modo de sentir e de pensar!

É preciso ver a luz iluminar a aura,

Dando uma chance para que o amor te encontre

Na suavidade morna de uma noite calma…

É preciso se entregar de corpo e alma!

É preciso ter dentro do coração um sonho

Que se acalenta no desejo de: amar e ser amada!

É preciso conhecer no outro o ser tão procurado!

É preciso conquistar e se deixar seduzir…

Entrar no jogo da sedução e deixar fluir!

Amar com emoção para se saber sentir

A sensação do momento em que o amor te devora!

E quando você estiver vivendo no clímax dessa paixão,

Que sinta que essa foi a melhor de suas escolhas!

Que foi seu grande desafio… e o passo mais acertado

De todos os caminhos de sua vida trilhados!

Mas se assim não for…

Que nunca te arrependas pelo amor dado!

Faz parte da vida arriscar-se por um sonho…

Porque se não fosse assim, nunca teríamos sonhado!

Mas, antes de tudo, que você saiba que tem aliado.

Ele se chama TEMPO… seu melhor amigo.

Só ele pode dar todas as certezas do amanhã…

A certeza que… realmente você amou.

A certeza que… realmente você foi amada.” 

8. Amar é (Albert Camus)

Amar é…

sorrir por nada e ficar triste sem motivos

é sentir-se só no meio da multidão,

é o ciúme sem sentido,

o desejo de um carinho;

é abraçar com certeza e beijar com vontade,

é passear com a felicidade,

é ser feliz de verdade!

 

9. Chico Buarque

Quando amo

Eu devoro

Todo o meu coração

Eu odeio

Eu adoro

Numa mesma oração

10. SONETO 116 – Shakespeare

(Tradução de Bárbara Heliodora)

De almas sinceras a união sincera

Nada há que impeça: amor não é amor

Se quando encontra obstáculos se altera

Ou se vacila ao mínimo temor

Amor é um marco eterno, dominante,

Que encara a tempestade com bravura;

É astro que norteia a vela errante

Cujo valor se ignora, lá na altura.

Amor não teme o tempo, muito embora

Seu alfanje não poupe a mocidade;

Amor não se transforma de hora em hora

Antes se afirma, para a eternidade.

Se isto é falso, e que é falso alguém provou,

Eu não sou poeta, e ninguém nunca amou.

11. Sonetos – Luís Vaz de Camões

Amor é um fogo que arde sem se ver;

É ferida que dói, e não se sente;

É um contentamento descontente;

É dor que desatina sem doer.

É um não querer mais que bem querer;

É um andar solitário entre a gente;

É nunca contentar-se e contente;

É um cuidar que ganha em se perder;

É querer estar preso por vontade;

É servir a quem vence, o vencedor;

É ter com quem nos mata, lealdade.

Mas como causar pode seu favor

Nos corações humanos amizade,

Se tão contrário a si é o mesmo Amor?

12. Soneto de Fidelidade – Vinicius de Moraes

De tudo ao meu amor serei atento

Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto

Que mesmo em face do maior encanto

Dele se encante mais meu pensamento.

Quero vivê-lo em cada vão momento

E em seu louvor hei de espalhar meu canto

E rir meu riso e derramar meu pranto

Ao seu pesar ou seu contentamento

E assim, quando mais tarde me procure

Quem sabe a morte, angústia de quem vive

Quem sabe a solidão, fim de quem ama

Eu possa me dizer do amor (que tive):

Que não seja imortal, posto que é chama

Mas que seja infinito enquanto dure.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *