Sobre nós

Mãe e Filha, Celebrantes,  “Casamenteiras” como costumam dizer: são as idealizadoras da “Bem Dita Cerimônia®”

 

Valdete Campos

Atuei como Advogada por mais de 40 anos na área de recursos humanos e desenvolvimento pessoal. Com diversas especializações em Advocacia, Teologia, Terapias, Ciências e Letras desenvolvi minha oratória na liderança de grupos e palestras em seguimento religioso, treinamentos gerais e empresariais.

Acredito que desafios surgem a todo o momento para que possamos prestar atenção nas pequenas coisas, detalhes grandiosos, que nos proporcionam a abertura de novos horizontes.

Sou casada há mais de 50 anos e ser uma Celebrante é uma oportunidade de me relacionar com pessoas que abraçaram novos rumos e de auxiliar com a experiência que tenho o que é vivenciar uma união.

Expressar o amor é trazer a grandiosidade em pequenos detalhes que revelam uma essência única de gratidão e plenitude.

 

Tamaris Fontanella

Atuando como Agente de Transformação, Psicoterapeuta, Psicopedagoga, Fotógrafa, Palestrante e Produtora de Eventos, por mais de 20 anos, vivenciei que os instantes de entrega e cumplicidade são as reais ferramentas da felicidade de cada ser.

Acolhi em minha vida a missão de celebrar histórias dos casais logo após ter elaborado um rito repleto de significados para meu próprio casamento.
Naquele dia tão especial para mim, enquanto minha celebrante trazia toda a poesia de minha palavras em nossa celebração, senti em meu coração que queria ser uma Agente da Consolidação do Amor Verdadeiro, para que os casais pudessem realizar seus sonhos e terem o registro do acontecimento mais inspirador para o resto de suas vidas.

Expressar o amor é reverberar a arte, a música e a poesia de forma emocionante e encantadora.

Bendita é o feminino de bendito, que significa: abençoada, afortunada, ditosa, generosa, oportuna, venturosa.

Bem Dita: é a maneira coerente de falar sobre algo, de falar com experiência.

 

Proferir e escrever “Bem Dita” faz parte de nossas raízes ancestrais, de como as mulheres encerravam as suas conversas e cartas abençoando e bem dizendo o que acabava de ser proferido ou escrito, o que tinha sido decretado para com o outro e em suas vidas.

 

Para Nós “Bem Dita Cerimônia” é a arte de tecer momentos únicos em palavras e signos, com uma linguagem que preza a maestria e o encantamento para contar verdadeiras histórias de vida repletas de amor!

 

Temos a honra de fazer parte de uma geração de benzedeiras e mulheres que abençoam diversos ritos de passagem e atuamos como celebrantes e ministras de ritos em casamentos (celebrações de união com e sem efeito civil e bodas), em celebrações de boas vindas (batimos ecumênicos) e em eventos onde se faz necessário a presença da bênção e o amor nas palavras.

Nossa Bem Dita Cerimônia é uma homenagem à todas aquelas que vieram antes de nós, que estão entre nós e que ainda virão, que tem o poder do decreto e da palavra de bem dizer com fé o amor.

Se um dia tiver que escolher entre o mundo e o amor…

Lembre-se.

Se escolher o mundo ficará sem o amor, mas se escolher o amor 

com ele você conquistará o mundo. 

(Albert Einstein)

 

Nossas Celebrantes utilizam a metodologia de Abordagem Sistêmica HV7-ISOR® e possuem certificação de Celebrante de Casamento Profissional Premium – Plurireligioso e de Celebrações sociais Plurireligiosas©™ e treinamento MR.One para Celebrar Casamentos Com Efeito Civil.

Como Ministras Ordenadas, para assinatura do termo na cerimônia do efeito civil com validação em todos os cartórios civis do Brasil, possuem habilitação em teologia cristã (IAD e ICRD) e sacerdócio na antiga religião (TPS|FERI, Irmandade da Rosa e da Espada, a Order Druid e a Order Brigit).

 

Mãe e filha estavam caminhando pela praia. Num certo ponto, a menina perguntou:
– Como se faz para manter um amor?


A mãe olhou para a filha e respondeu:
– Pegue um pouco de areia e feche sua mão, a segurando, com toda sua força …


A menina assim fez e reparou que, quanto mais forte apertava a areia com a mão com mais velocidade a areia escapava.
– Mamãe, mas assim a areia cai!


– Eu sei, agora abra agora completamente a sua mão …


A menina obedeceu. E veio um vento forte e levou consigo toda a areia que restava em sua mão.
– Assim também não consigo mantê-la em minha mão, ela se vai!


A mãe, sempre a sorrir, disse-lhe:
– Agora pegue outra vez um pouco de areia. Segure-a em sua mão, de forma semi-aberta como se fosse uma colher. Uma concha bastante fechada para protegê-la e bastante aberta para lhe dar liberdade.

 


A menina experimenta e vê que a areia não escapa da mão e está protegida do vento.


– É assim, minha pequena, que se faz durar um amor.

– Bendita seja a forma como percebe o amar e bem dita seja amar e se expressar!